Notícias Gerais
 
04.Abr - Dom Martín: na sinodalidade, uma tentação é pensar que não precisamos aprender
Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -
Dom Martín: na sinodalidade, uma tentação é pensar que não precisamos aprender

Padre Modino - CELAM


A etapa continental do Sínodo 2021-2024 é vista por Dom Luis Marín de San Martín, que participou na reunião dos secretários-gerais e presidentes das conferências episcopais organizada pelo Conselho Episcopal da América Latina e Caribe (Celam) em Bogotá de 21 a 23 de março, como particularmente inovadora. A etapa continental teve lugar em sete grandes regiões, cada uma das quais produziu um documento que será utilizado para elaborar o documento de trabalho para a Assembleia do Sínodo em outubro. 


Uma etapa que tem sido um sinal de interculturalidade, porque "as diferentes realidades culturais fazem-nos ver que existe uma variedade de formas de seguir Cristo", segundo o subsecretário do Sínodo. O método, altamente valorizado, tem sido a conversa espiritual e o discernimento comunitário, elementos próprios de uma Igreja que é comunidade. O objetivo era evitar ideias preconcebidas e o desejo de impor ideias. Uma atitude que deve ser assumida por todos os membros da Igreja.


O desafio é "uma Igreja que seja verdadeiramente comunhão", que não seja "atomizada em grupos opostos". Uma Igreja com um protagonismo comum, evitando a auto referencialidade e o encerramento na sua segurança.


Trata-se de dar um testemunho cristão, que "se é autêntico, é sempre entusiasta", procurando alcançar "a experiência do Cristo vivo, que se concretiza na vida quotidiana e se transmite, poderíamos dizer, por contágio". Face a isto "encontramos a resposta na autenticidade, na coerência enquanto cristãos".


Alguns dias antes do encerramento da etapa continental do Sínodo, algo novo na história da Igreja e dos sínodos, quais são as suas primeiras impressões?


A etapa continental é particularmente nova. Não foi feita em outros Sínodos. É também uma etapa fundamental no processo que estamos a realizar, porque nos abre à pluralidade da Igreja. Certamente do ponto de vista da unidade: uma fé, um Senhor, um Batismo. Mas vivemos e desenvolvemos esta unidade fundadora e fundamental na pluralidade das diferentes realidades culturais.  A uniformidade, além de ser empobrecedora, não é cristã. Devemos também tornar possível a variedade cultural para enriquecer toda a Igreja.


As realidades continentais são obviamente diversas: formas diferentes de viver a fé, de testemunhar a mensagem cristã. Os desafios da evangelização são também diferentes. O desenvolvimento desta etapa permitir-nos-á, por um lado, ser muito mais concretos, mais incisivos e, ao mesmo tempo, promover uma maior participação e envolvimento do povo de Deus, uma vez que se trata de uma área muito mais conhecida e que eles sentem como sua.


Sete continentes foram estabelecidos, num sentido amplo: América do Norte, América Latina e Caribe, Europa, África e Madagáscar, Ásia, Oceania, Igrejas do Médio Oriente. Em cada um deles, foi trabalhado o Documento para a Etapa Continental e foi realizada uma assembleia sinodal, com a participação das diferentes vocações do Povo de Deus. Cada assembleia produziu um documento, que será utilizado para a elaboração do instrumento de trabalho (instrumentum laboris) para a Assembleia do Sínodo dos Bispos em outubro.  Enquanto se aguarda a recepção dos últimos documentos continentais, o balanço é certamente muito positivo.


Estas diferentes assembleias em todos os continentes ou regiões em que esta etapa foi dividida, mostram-nos culturas diferentes. Deste ponto de vista, podemos dizer que a interculturalidade é algo que enriquece o caminho da sinodalidade?


Parece-me ser inquestionável. Infelizmente, encontramos, também na Igreja, aqueles que confundem o essencial com o acessório e tendem para a uniformidade, para a supressão de qualquer tipo de diferença face a um modelo estabelecido. Por vezes até parecem ter dificuldade em admitir a pluralidade e a diferença. Isto leva à pobreza espiritual. Mas a fé cristã não é um processo de empobrecimento, muito pelo contrário. Temos a mesma fé, mas não a mesma forma de a viver. A "política de fotocópias" não é válida porque as realidades culturais são diferentes, tal como as pessoas são diferentes e as vocações são diferentes. A Igreja é plural, tal como a família é plural. Talvez a bela imagem da Igreja como família de Deus nos ajude: comunhão no amor, mas diversidade de papéis, de personalidades, de opções, de manifestações, de vocações; todos procurando o bem da família, da Igreja.


Assim, diferentes realidades culturais mostram-nos que existe uma variedade de formas de seguir Cristo. O atual modelo ocidental não é de modo algum o único, nem devemos tentar impô-lo a todas as latitudes. Por exemplo, na Ásia, encontramos outros modelos culturais que devem ser respeitados e promovidos, e o mesmo em África, no Médio Oriente, etc. O Evangelho é vivido, concretizado e testemunhado de diferentes formas, tendo em conta diferentes realidades culturais. A Igreja nunca é exclusiva, mas sim inclusiva. Esta é a base da interculturalidade eclesial.


Uma das propostas para o desenvolvimento da Etapa Continental foi a conversa espiritual e o discernimento comunitário. Nas assembleias da América Latina e do Caribe, isto tem sido muito valorizado. Foi uma questão de falar a partir do mesmo plano e das diferentes vocações na Igreja. Na mesma comunidade de discernimento havia bispos, sacerdotes, vida religiosa masculina e feminina, os leigos. Como é que isto pode enriquecer a Igreja e como é que podemos ultrapassar os receios que isto provoca em alguns?


Os medos são geralmente provocados pelo desconhecido. Convido as pessoas a aprenderem com a experiência, a fim de poderem tirar conclusões. O discernimento comunitário sempre teve lugar na cristandade porque a Igreja é uma comunidade. Mas como pode este discernimento ser levado a cabo? Um dos métodos é o da conversa espiritual, que vem de tempos antigos e tem raízes inacianas.  Para mim, como agostiniano vivendo uma espiritualidade diferente, não estava familiarizado com ela, mas já a utilizei, já a vi utilizada, e os resultados são muito bons porque ajuda muito no discernimento. Por isso, fui enriquecido por um método próprio de uma espiritualidade diferente da minha. Isto é lindo.


Em termos gerais, é uma questão de ouvir profundamente a outra pessoa, tentando compreender o que ela quer transmitir, sem a julgar. Depois procuramos pontos em comum e discernimos o que Deus quer de nós em termos concretos. Tudo isto é feito através da oração. Na conversa espiritual não há vencedores nem vencidos. Não é uma batalha ideológica, onde cada um tenta impor os seus próprios critérios e ideias, mas uma busca comum de consenso através de um processo de diálogo, tudo no mesmo nível e respeitando as diferenças.


Este método tem sido altamente valorizado porque os resultados têm sido claramente positivos. De fato, é aconselhável utilizar o método da conversa espiritual ou um método semelhante em todas as nossas assembleias e reuniões sinodais. Queremos ter um diálogo fraterno, não um comício político, um confronto ou uma imposição de ideologias. Não estamos num parlamento, mas sim numa família. Escuta, diálogo, discernimento, todas estas realidades do processo sinodal estão presentes neste método.


Poderíamos dizer que Deus nos fala através daqueles que menos esperamos. Neste método de conversa espiritual, será necessário aprender a deixarmo-nos surpreender por Deus, que muitas vezes nos fala através daqueles que menos esperamos?


Por vezes agimos com ideias preconcebidas. E tentamos encontrar formas de as impor e de as fazer ter êxito. Mas o que devemos fazer é procurar a vontade de Deus, ouvindo o Espírito Santo. É nisto que o Papa insiste. O processo sinodal é um acontecimento do Espírito, que nos surpreende, se estivermos dispostos a deixar-nos surpreender.


Se as nossas mentes estiverem bloqueadas e os nossos corações fechados, se formos vencidos pelo orgulho e transformarmos a fé cristã, essencialmente uma experiência de amor, numa ideologia, então é impossível ouvir o Espírito. Tudo o que queremos é triunfar, vencer, impor, e não estaremos no caminho do discernimento cristão, que é um caminho de escuta, de abertura ao Espírito, que fala através dos nossos irmãos e irmãs, na comunidade, através das pequenas coisas. Então ele será capaz de nos surpreender e encher os nossos corações de esperança e alegria.


Uma Igreja que escuta, mas também uma Igreja que é discípula, uma Igreja que está pronta a aprender. Haverá ainda dificuldades, especialmente na hierarquia, em estar pronta a aprender com os outros?


As dificuldades afetam não só a hierarquia, mas também todos os cristãos. Muitas vezes queremos caminhar sozinhos e somos tentados a colocar-nos fora do caminho. Mas não esqueçamos que o caminho é Cristo e que não há Cristo sem a Igreja. Ninguém nega que um pároco ou um bispo toma as decisões que lhe são próprias, não as que pertencem aos outros. Mas ele pode fazê-lo de duas maneiras. Uma é sem consultar ninguém, ou apenas os seus amigos com a mesma opinião e sem problemas; a outra é ouvindo o povo de Deus, do qual ele faz parte, a fim de discernir a vontade do Senhor. A primeira é errada e não dá um verdadeiro discernimento. O segundo indica o caminho mais correto e também o mais seguro.


Outra tentação comum é pensar que sabemos tudo e que não precisamos de aprender com ninguém. Como é difícil para nós admitir que estamos errados, que devemos e podemos aprender com os outros. Temos dificuldade em deixarmo-nos ajudar a nós próprios. Mas o pastor caminha com o povo: ele não fica do lado de fora, como o sacerdócio levítico, mas identifica-se com Cristo, o Bom Pastor. Isto anda de mãos dadas com o significado mais profundo do ministério que, como o seu nome indica, é serviço e não poder. Talvez necessitemos de ter uma atitude mais humilde.


E depois há a tentação da falsa segurança. É o que está por detrás do "sempre foi feito desta forma": a busca da paz e tranquilidade a qualquer preço. Mas abrirmo-nos ao Espírito significa, sim, perder as nossas seguranças porque perturba os elementos sobre os quais baseamos a nossa existência. Abre-nos ao risco, mas torna-nos vivos. O processo sinodal nada mais é do que um caminho de coerência, de autenticidade no que somos.


Após a conclusão desta etapa continental, quais são os desafios que se colocam ao caminho sinodal, pelo menos até à Assembleia Sinodal do próximo mês de outubro?


Em primeiro lugar, algo que tem estado presente desde o início, o desafio de uma Igreja que é verdadeiramente comunhão. Um dos problemas que temos é o de transformar o Evangelho numa ideologia. Isto leva a uma Igreja que é atomizada em grupos em conflito. E ser uma contratestemunha, ser um escândalo. Em Cristo Jesus, somos irmãos e irmãs. Recuperemos esta realidade.


Em segundo lugar, somos convidados a ser protagonistas na Igreja, todos nós. O Papa é muito insistente, neste "todos", que, desde o início, ninguém é excluído. A corresponsabilidade não significa a clericalização dos leigos, nem é uma luta pelo poder, mas sim o reconhecimento da dignidade de batizado de todo o Povo de Deus, cada um de acordo com a sua vocação. A Igreja não se identifica apenas com o clero, os leigos ou os religiosos. Todos nós fazemos parte da Igreja. Daí a participação entendida como corresponsabilidade, que não deve ser um mínimo mas um máximo.


Em terceiro lugar, temos o desafio do dinamismo na Igreja, do impulso evangelizador para levar a Boa Nova ao mundo de hoje. Trata-se de evitar uma Igreja autorreferencial, fechada sobre si mesma, que fala de si mesma, que se fecha sobre os seus próprios títulos, com as suas próprias línguas e os seus problemas fora do tempo. Se não inspirarmos entusiasmo e apenas provocarmos indiferença, temos de nos perguntar por quê.  A Igreja de Cristo dá testemunho do amor e alegria que recebe dele e vive nele.


Pouco a pouco, apercebemo-nos de que a superação destes desafios só é possível se o fizermos juntos, como Igreja, como comunidade dos batizados, como povo de Deus. Há muitas dificuldades, mas, com a ajuda de Deus, estamos a superá-las e a avançar neste caminho de renovação e esperança. Devemos ter grande paciência e grande confiança. Trata-se de um processo a longo prazo. Mas estou certo de que dará frutos abundantes, porque o Espírito está a guiar a Igreja. Confiemos nele.


Sinodalidade, porque é algo prático, podemos dizer que é algo contagioso através do testemunho e do contato. Podemos dizer que a Igreja está a ficar cada vez mais contagiada por esta sinodalidade?


A testemunha cristã, se for autêntica, é sempre entusiástica. Já assinalei que aqueles que deixam Cristo entrar nas suas vidas estão sempre cheios de entusiasmo. A fé cristã não se baseia principalmente em princípios, normas ou ideias, mas na experiência do Senhor ressuscitado. É isto que todos nós devemos conseguir, tanto pessoalmente como como comunidade: a experiência do Cristo vivo, que se concretiza na vida quotidiana e se transmite, poderíamos dizer, por "contágio". Consideremos os cristãos das primeiras comunidades. Eles eram poucos, frágeis, com dificuldades. Mas foram capazes, em pouco tempo, de mudar as estruturas eclesiais e religiosas do poderoso Império Romano. Um feito impensável e improvável. Por que foram bem-sucedidos? Porque tinham vida, porque transmitiram Cristo.


Por vezes, contemplando a realidade do tempo presente, somos tentados a ser pessimistas e amargos. A Igreja parece ter muitos inimigos externos e internos, que a rasgam e dilaceram. A resposta reside na autenticidade, na coerência como cristãos. Isto é o que desejo de todo o coração e ao qual dedico o meu tempo, trabalho e energias. O processo sinodal só pode ser compreendido a partir do amor a Cristo e à Igreja, é vivido como um acontecimento de comunhão e é orientado para a reforma que flui do Espírito. Vale certamente a pena.


Fonte: Vatican News

Indique a um amigo
 
Newsletter

CADASTRE-SE

CADASTRE SEU E-MAIL E RECEBA NOTÍCIAS ATUALIZADAS DO IBMC
  • ibmc@ibmc.com.br

  • Copyright © 2024 IBMC - Instituto Brasileiro de Marketing Católico. Todos os direitos reservados.