Notícias Gerais
 
28.Set - Francisco: o Concílio, luz para levar a fraternidade ao mundo
Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -
Francisco: o Concílio, luz para levar a fraternidade ao mundo

PAPA FRANCISCO


O coração do Evangelho é o anúncio do Reino de Deus, que é Jesus em pessoa, o Emanuel e Deus conosco. Nele, Deus cumpre definitivamente seu plano de amor pela humanidade, estabelecendo seu senhorio sobre as criaturas e introduzindo na história humana a semente da vida divina, que a transforma a partir de dentro. O Reino de Deus certamente não deve ser identificado ou confundido com alguma realização terrena e política, mas também não deve ser imaginado como uma realidade puramente interior, pessoal e espiritual, ou como uma promessa que diz respeito apenas à vida depois da morte. Na realidade, a fé cristã vive deste fascinante e interessante "paradoxo", uma palavra muito querida ao teólogo jesuíta Henri de Lubac: é o que Jesus, unido para sempre à nossa carne, já realiza aqui e agora, abrindo-nos a um relação com Deus Pai e trabalhando uma libertação contínua na vida e na história que vivemos, porque n'Ele o Reino de Deus se aproximou agora (cf. Ao mesmo tempo, enquanto estamos nesta carne, o Reino permanece também uma promessa, um profundo anseio que carregamos dentro de nós, um grito que se eleva da criação ainda marcada pelo mal, que geme e sofre até o dia de sua libertação plena (cf. Rm 8,19-24).


O Reino anunciado por Jesus é uma realidade viva e dinâmica, que nos convida à conversão e pede que nossa fé saia da estática de uma religiosidade individual ou reduzida ao legalismo, para ser inquieta e contínua busca do Senhor e de Sua Palavra, que a cada dia nos chama a colaborar na obra de Deus nas diferentes situações da vida e da sociedade. De diferentes maneiras, muitas vezes silenciosas e anônimas, muitas vezes até mesmo dentro da história de nossos fracassos e feridas, o Reino de Deus está se realizando em nossos corações e na história ao nosso redor; como uma pequena semente escondida na terra (cf. Mt 13,31-32), como um pouco de fermento que fermenta a massa (Mt 13,24-30), Jesus introduz em nossa história os sinais da nova vida que veio inaugurar e nos pede para colaborar com Ele nesta obra de salvação: cada um de nós pode contribuir para realizar a obra do Reino de Deus no mundo, abrindo espaços de salvação e libertação, semeando esperança, desafiando a lógica mortal do egoísmo com a fraternidade evangélica, comprometendo-nos na ternura e solidariedade em favor do próximo, especialmente dos mais pobres.


Nunca devemos neutralizar esta dimensão social da fé cristã. Como também recordei na Evangelii Gaudium, o kerygma da fé cristã tem em si um conteúdo social, convidando a construir uma sociedade na qual triunfe a lógica das Bem-aventuranças e um mundo solidário e fraterno. O Deus de amor, que em Jesus nos convida a viver o mandamento do amor fraterno, cura as nossas relações interpessoais e sociais através do amor e nos chama a ser agentes de paz e construtores de fraternidade entre nós: "A proposta é o Reino de Deus (Lc 4,43). Trata-se de amar a Deus que reina no mundo. Na medida em que ele conseguir reinar entre nós, a vida social será um espaço de fraternidade, justiça, paz e dignidade para todos. Portanto, tanto o anúncio quanto a experiência cristã tendem a provocar consequências sociais" (Evangelii Gaudium, 180).


Neste sentido, o cuidado de nossa Mãe Terra e o compromisso de construir uma sociedade solidária na qual "todos somos irmãos" não só não são estranhos à nossa fé, mas são uma realização concreta da mesma. Esta é a base da Doutrina Social da Igreja. Não é apenas um aspecto social da fé cristã, mas uma realidade que tem um fundamento teológico: o amor de Deus pela humanidade e Seu plano de amor e fraternidade que Ele cumpre na história através de Jesus Cristo, seu Filho, a quem os fiéis estão intimamente unidos através do Espírito. Por isso, sou grato ao cardeal Michael Czerny e a pe. Christian Barone, irmãos na fé, por esta contribuição que oferecem sobre a fraternidade e por estas páginas que, embora pretendam ser uma introdução à Encíclica Fratelli tutti, procuram trazer à luz e tornar explícita a profunda ligação entre o atual Magistério social e as afirmações do Concílio Vaticano II.


Às vezes esta ligação não surge à primeira vista e eu tento explicar o porquê. Na história da América Latina na qual fui imerso, primeiro como jovem estudante jesuíta e depois no exercício do ministério, respiramos um clima eclesial que, com entusiasmo, absorveu e fez suas as intuições teológicas, eclesiais e espirituais do Conselho e as inculturou e implementou. Para nós mais jovens, o Concílio tornou-se o horizonte de nossa crença, de nossas linguagens e nossa práxis, ou seja, logo se tornou o nosso ecossistema eclesial e pastoral, mas não tínhamos o hábito de citar com frequência os decretos conciliares ou de nos determos em reflexões especulativas. Muito simplesmente, o Concílio tinha entrado em nosso modo de ser cristãos e de ser Igreja, e, no decorrer da vida, minhas intuições, percepções e espiritualidade foram simplesmente geradas pelas sugestões da doutrina do Vaticano II. Não havia necessidade de citar os textos do Concílio. Hoje, provavelmente, passadas várias décadas e encontrando-nos num mundo - também eclesial - que mudou profundamente, é necessário tornar mais explícitos os conceitos-chave do Concílio Vaticano II, os fundamentos de seus argumentos, seu horizonte teológico e pastoral, os argumentos e o método que utilizou.


O cardeal Michael e pe. Christian, na primeira parte deste precioso livro, nos ajudam muito nisto. Eles leem e interpretam o Magistério social que estou tentando levar adiante, trazendo à tona algo que está um pouco submerso entre as linhas, ou seja, o ensinamento do Concílio como base fundamental, ponto de partida, lugar que gera perguntas e ideias e que, portanto, também orienta o convite que hoje dirijo à Igreja e ao mundo inteiro sobre a fraternidade. Porque a fraternidade, que é um dos sinais dos tempos que o Vaticano II traz à luz, é o que precisam o nosso mundo e nossa Casa comum, na qual somos chamados a viver como irmãos e irmãs. Dentro deste horizonte, o livro que estou prestes a apresentar também tem a vantagem de reler nos dias de hoje a intuição conciliar de uma Igreja aberta, em diálogo com o mundo. Às perguntas e desafios do mundo moderno, o Vaticano II procurou responder com o sopro da Gaudium et Spes; mas hoje, continuando no caminho traçado pelos Padres conciliares, percebemos que há necessidade não só de uma Igreja no mundo moderno e em diálogo com ela, mas sobretudo de uma Igreja que se coloque a serviço da humanidade, cuidando da criação, anunciando e realizando uma nova fraternidade universal, na qual as relações humanas sejam curadas do egoísmo e da violência e se baseiem no amor recíproco, na aceitação e na solidariedade.


Se isto é o que a história de hoje nos pede, especialmente numa sociedade fortemente marcada por desequilíbrios, feridas e injustiças, percebemos que isto também está no espírito do Concílio, que nos convidou a ler e ouvir os sinais vindos da história humana. O livro do cardeal Michael e pe. Christian também tem este mérito: nos oferece uma reflexão sobre a metodologia utilizada pela teologia pós-conciliar e pelo próprio Magistério social, mostrando como está intimamente ligada à metodologia utilizada pelo Concílio, ou seja, um método histórico-teológico-pastoral, no qual a história é o lugar da revelação de Deus, a teologia desenvolve as orientações através da reflexão, e pastoral as encarna na práxis eclesial e social. Neste sentido, o Magistério do Santo Padre precisa sempre ouvir a história e precisa da contribuição da teologia. Por fim, gostaria de agradecer ao cardeal Czerny por envolver um jovem teólogo, pe. Barone, neste trabalho. Esta união é fecunda: um cardeal, chamado ao serviço da Santa Sé e a ser um guia pastoral, e um teólogo fundamental. É um exemplo de como o estudo, a reflexão e a experiência eclesial podem se unir, e isso também nos indica um método: uma voz oficial e uma voz jovem, juntas. É assim que devemos caminhar: o Magistério, a teologia, a prática pastoral e a liderança. Sempre juntos. A fraternidade será mais crível se também começarmos na Igreja a sentir-nos "todos irmãos" e a viver os nossos respectivos ministérios como um serviço ao Evangelho, à construção do Reino de Deus e ao cuidado da Casa comum.


São Pedro, Roma, 3 de outubro de 2021, primeiro aniversário da Fratelli tutti


No dia 30 de setembro, na transmissão ao vivo do Vatican News da Sala Barberini da Biblioteca Apostólica, será apresentado o livro "Fraternidade, sinal dos tempos". O magistério social do Papa Francisco" pelo cardeal Michael Czerny e pe. Christian Barone, com um prefácio do Papa Francisco.


Oradores: irmã Alessandra Smerilli, secretária interina do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral; dr. Aboubakar Soumahoro, presidente da Liga Braccianti e porta-voz dos Invisíveis em Movimento; pe. Armando Matteo, subsecretário adjunto da Congregação para a Doutrina da Fé. O dr. Gerard O'Connell, correspondente do Vaticano para "América" será o moderador.


Fonte: Vatican News

Indique a um amigo
 
Newsletter

CADASTRE-SE

CADASTRE SEU E-MAIL E RECEBA NOTÍCIAS ATUALIZADAS DO IBMC
  • ibmc@ibmc.com.br

  • Copyright © 2021 IBMC - Instituto Brasileiro de Marketing Católico. Todos os direitos reservados.