Notícias Gerais
 
21.Mar - Quaresma: a experiência transformadora do perdão
Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -
Quaresma: a experiência transformadora do perdão





Dom Matias Moraes, OSB


O tempo da quaresma nos é propicio para exercitarmos muitas práticas cristãs que nos aproximam cada vez mais do amor e misericórdia de Deus. Um dos convites que Nosso Senhor nos faz é que experimentemos o perdão. Numa sociedade marcada pelo ódio e violência, perdoar e ser perdoado parecem ser atitudes distantes de serem alcançadas. O Papa Francisco nos lembra que:  “Parece que a riqueza própria do diabo é esta: semear o amor não perdoando, viver apegado ao não-perdão. Mas o perdão é a condição para entrar no céu.” (Homilia na Casa Santa Marta, 17 de março de 2020)


Somos tentados a praticar o não-perdão todos os dias, quando caímos no egoísmo de pensarmos somente em nós mesmos, nas nossas próprias vontades e desejos, vivendo como se fôssemos o Senhor de nossas próprias vidas, e deixamos de lado o próprio amor Encarnado: Jesus Cristo.  Quando fazemos um verdadeiro encontro com Jesus, torna-se impossível não viver a dimensão do perdão. Nesse sentido a figura de São João Gualberto nos ilumina com seu testemunho e exemplo. Seu irmão fora assassinado, e como costume da época era sua missão vingar essa morte. Tomado pelo impulso de vingança João Gualberto ao encontrar-se com o assassino de seu irmão e já preparado para honrar a morte de um homem a quem ele tanto amara, se depara com um pedido de perdão daquele homem. Era uma sexta-feira santa, dia em que Nosso Senhor e Salvador num supremo ato de amor doou sua vida por cada um de nós e nos abriu as portas do paraíso, derramando seu sangue na cruz, lavou e perdoou os pecados do mundo inteiro. O assassino disse a João Gualberto: Pelo mistério da Cruz que hoje celebramos eu rogo seu perdão! O jovem João não hesitou e o perdoou. Logo em seguida, abraçou a vida monástica e nunca mais abandonou a Jesus Cristo, a quem serviu fielmente por toda sua vida.


A experiência do perdão transforma as nossas vidas, mas o Papa recorda que: “não é fácil perdoar. Porque o nosso coração egoísta está sempre apegado ao ódio, às vinganças, aos rancores. Todos vemos famílias destruídas por ódios familiares que passam de geração em geração. Irmãos que, diante do caixão de um dos pais, não se saúdam porque levam adiante rancores antigos. Parece que o apegar-se ao ódio é mais forte do que o apegar-se ao amor; e este é propriamente o tesouro – digamos assim – do diabo. Ele esconde-se sempre entre os nossos rancores, entre os nossos ódios e fá-los crescer, mantendo-os ali para destruir. Destrói tudo. E muitas vezes destrói por coisas insignificantes.”


Não nos permitamos ser vencidos pelo ódio pois, como cristãos a nossa missão é iluminar o mundo com nosso testemunho de fé e amor a Deus e aos irmãos. Amemo-nos irmãs e irmãos, façamos a experiência do perdão e seremos autênticos discípulos de Jesus de Nazaré. Que São João Gualberto nos ajude a não hesitarmos, e ainda mais, a nos adiantarmos na prática da misericórdia!



Fonte: Vatican News

Indique a um amigo
 
Newsletter

CADASTRE-SE

CADASTRE SEU E-MAIL E RECEBA NOTÍCIAS ATUALIZADAS DO IBMC
  • ibmc@ibmc.com.br

  • Copyright © 2023 IBMC - Instituto Brasileiro de Marketing Católico. Todos os direitos reservados.